Solicitar Cartão de Crédito para negativado ou nome sujo no SERASA, veja como


Além de passar por alguns problemas financeiros e dificuldades com suas próprias dividas, muitas pessoas tem seu nome negativado por terceiros, emprestando o próprio cartão, fazendo empréstimos ou crediário ou financiando um carro/moto para um parente ou amigo, que no final das contas acaba não pagando a “parcela”, deixando o titular da dívida na mão.

O Cartão de Crédito aumenta o poder de compra e pode ajudar a tirar qualquer um do sufoco. É um excelente aliado, mas deve ser usado com moderação.

Com o CPF negativado, sem poder pagar a dívida contraída para ajudar a um amigo ou parente, o titular acaba ficando impossibilitado de fazer novos crediários, cartões de crédito, empréstimos, entre outras operações financeiras.

Vantagens e benefícios de fazer um cartão sem consulta ao SPC e Serasa

Usando corretamente o cartão de crédito sem consulta, permitirá que você construa uma pontuação de crédito e poderá aumentar as chances de conseguir cartões de crédito melhores no futuro;
Pessoas com CPF negativado pode fazer um cartão de crédito;
Limite pré-aprovado;
Aprovação sem análise de crédito;
Aceitação nacional e internacional;
Todos os benefícios oferecidos pela bandeira do cartão.

Ibicard Fácil

O cartão Ibi é um modelo desenvolvido para as pessoas que não podem comprovar renda ou que preferem não ter a consulta feita no SPC SERASA.

O mesmo é emitido com a bandeira Mastercard e é aceito internacionalmente. O novo usuário deverá abrir uma conta poupança vinculada ao cartão e 90% do valor depositado será revertido em limite de crédito. O depósito mínimo inicial é de R$ 100,00. Depois dele, o valor mínimo para depósito passa a ser de R$ 30,00.

Conheça mais acessando aqui.

Cartão de crédito Bonsucesso Visa

O Bonsucesso fez uma parceria com a bandeira Visa e disponibilizou este cartão com benefícios e vantagens exclusivas.

Não existe nenhum tipo de consulta ao SPC e SERASA, o que facilita completamente as suas chances de conseguir a aprovação.

Além de contar com essas vantagens, o cartão ainda não possuí anuidade e oferece até 45 dias para pagar.

Para contratar o cartão Bonsucesso basta ser aposentado ou servidor público. Não há consulta ao SPC e Serasa e o cartão não possui anuidade. Além disso, a adesão é totalmente gratuita.

A solicitação poderá ser realizada através do site do Banco Bonsucesso e o cartão oferece taxas de juros reduzidas e limite de crédito até duas vezes o valor do salário.

Conheça mais acessando aqui.




Cartão de crédito pré-pago AcessoCard

Esse cartão é emitido com a bandeira MasterCard e é aceito em milhões de lojas do mundo.

Com esse cartão, você poderá contar com:

Tecnologia chip, é super seguro;

Sem necessidade de comprovar renda;

Aplicativo exclusivo para celular;

Programa Amigo Acesso;

Sem consulta ao SPC e SERASA.

Conheça mais clicando aqui.

Como fazer um cartão de crédito pré-pago PagSeguro

Para fazer um cartão de crédito pré-pago PagSeguro,o interessado deve acessar o site, criar uma conta no PagSeguro e solicitar o cartão, ele custa apenas R$ 12,90 e é sem consulta ao SPC e Serasa.

Outros cartões de crédito pré-pagos, que podem ser feitos sem consulta ao SPC e Serasa , são: AliExpress, Payoneer, Tim Multibank, Itaú Recarregável, Alelo, dentre outros.

Pessoas com nome negativado têm impedimentos em bancos e financeiras

Estar com o nome sujo pode acarretar uma série de consequências relacionadas a vida financeira do consumidor, como deparar-se com dificuldades na hora de contratar um cartão de crédito ou uma linha de empréstimo, por exemplo.

Embora existam, sim, alguns empréstimos e cartões de crédito para negativados, nem todas as instituições disponibilizam a ferramenta e em determinados casos o cliente atender a uma série de requisitos.

A exceção fica para os cartões pré-pagos, que além de estarem disponíveis aqueles com o nome negativado, ainda podem ser contratados sem a necessidade de abrir conta em banco ou comprovação de renda.

Contratar cartão pré-pago com nome negativado

Os cartões pré-pagos em geral estão disponíveis a todas as pessoas, estendendo suas vantagens tanto àqueles que estão com o nome negativado quanto aos que não possuem conta em banco e não têm como comprovar renda.

Existe uma série de cartões pré-pagos disponíveis no mercado e para escolher o melhor ao seu perfil. Há diferentes cartões, com diferentes focos: alguns são direcionados à mesada dos filhos, outros a administração doméstica, podendo ser atribuídos a empregados. Há também cartões pré-pagos específicos para viagem.

Cada administradora determina a forma de contratação, mas a maioria das instituições oferecem a ferramenta tanto em lojas físicas quanto através da internet.

Como limpar nome negativado

Se você está buscando um cartão de crédito, mas está com o nome negativado, embora existam alguns cartões disponíveis ao seu perfil, é importante considerar a possibilidade de regularizar sua situação, colocando as contas em dia e construindo um histórico financeiro positivo.

Comece elaborando uma planilha para controle de gastos e se você optou por adquirir um cartão pré-pago com nome negativado, saiba que poderá utilizá-lo a seu favor, administrando melhor suas despesas e limitando seus créditos ao que planejou gastar.

Atualmente existem algumas facilidades para quem deseja limpar o nome e o Feirão Limpa Nome, promovido pelo Serasa, é um bom exemplo, já que trás orientações importantes relacionadas a negociação.

Se você pretende negociar dívidas, fique atento a algumas dicas:

  • Faça as contas previamente e anote uma proposta adequada ao seu orçamento;
  • Jamais recorra ao cheque especial ou a empréstimos que possuam taxas altas;
  • Procure alternativas mais baratas, como o crédito consignado. Vale lembrar que se você ainda está adimplente, poderá recorrer a opções mais vantajosas financeiramente, como um empréstimo com garantia de imóvel ou um refinanciamento de veículo, por exemplo.
  • Tenha em mãos todas as informações que poderão auxiliá-lo na negociação, como contas em atraso e cartas de cobrança.

De acordo com o artigo 43 do Código de Defesa do Consumidor, o prazo máximo para a retirada do nome do consumidor dos cadastros do SPC e Serasa é de cinco dias após o pagamento do débito.

Serasascore: já é possível ver gratuitamente sua pontuação ou score, sua nota junto aos bancos


Seu nome pode até estar limpo, mas você sempre teve uma enorme dificuldade em conseguir empréstimos ou receber um novo cartão de crédito, sua nota ou score pode estar baixo junto aos bancos, a Serasa lançou uma ferramenta gratuita onde é possível consultar de forma gratuita seu score, o Serasascore.

Você não está com o nome sujo, não deve nada a ninguém, paga suas contas em dia, mas, mesmo assim, tem dificuldade na hora de financiar uma compra ou pedir um cartão de crédito. Por que isso acontece? Provavelmente, você deve estar com uma “nota baixa”.

As empresas que mantêm bancos de dados sobre crédito –como Serasa, SPC Brasil e SCPC Boa Vista, atribuem uma nota (chamada de “score”) para cada consumidor. Essa nota vai de zero a mil. Quanto maior a nota, menor o risco de o consumidor dar um calote. Portanto, maior a chance de ele conseguir um empréstimo ou financiamento.

Veja como é a classificação:

até 300 pontos: alto risco de calote

entre 301 e 700 pontos: médio risco de calote

acima de 701 pontos: baixo risco de calote

Consulta grátis

Até o momento, o consumidor não tinha como saber qual era sua pontuação. Nesta quarta-feira (5), a Serasa Experian lançou um serviço gratuito para consultar e acompanhar a pontuação.

A consulta pode ser feita pelo site www.serasascore.com.br. É preciso informar número do CPF, nome, data de nascimento e outros dados pessoais, além de criar um usuário e senha.

Como melhorar sua pontuação?

Segundo a Serasa, a pontuação depende de uma série de fatores, como pagamentos de contas em dia, histórico de dívidas negativadas, relacionamento financeiro com empresas e dados cadastrais atualizados.

Se quiser melhorar sua pontuação, o consumidor deve limpar seu nome, pagar as contas em dia e manter seus dados cadastrais atualizados, segundo a empresa.

Outra possibilidade é participar do cadastro positivo, uma espécie de lista de bons pagadores. As listas trazem informações sobre o pagamento de dívidas, como financiamentos de imóveis e carros, e podem ser acessadas por instituições financeiras e lojas que concedem crédito. A ideia é ajudar a avaliar se o consumidor é um bom pagador. Atualmente, o próprio consumidor precisa declarar que está disposto a colocar suas informações bancárias nesse cadastro.

Metodologia

O peso de cada informação do Serasa Score é definido de acordo com um estudo do comportamento histórico de grupos de indivíduos não identificados. Esses grupos são compostos por pessoas com características financeiras parecidas, segundo a empresa.

Desse modo, estatisticamente, é possível comparar os resultados obtidos por um consumidor específico com outros do mesmo grupo para o cálculo da pontuação, de acordo com a Serasa.

Informações via Uoleconomia

Crédito Rotativo: o cartão mediante a negociação do parcelamento ficará bloqueado?


A partir de agora, os clientes terão restrições para fazer o pagamento mínimo da fatura e acessar o crédito rotativo. A determinação foi divulgada pelo Banco Central no dia 26 de janeiro. Diferente do que ocorria antes, quem optar por pagar o valor mínimo da fatura não poderá fazer essa opção por vários meses consecutivos.

Crédito rotativo crédito é concedido quando não ocorre o pagamento integral da fatura até o vencimento. Ou seja, é a diferença entre o valor total da fatura e o valor efetivamente pago. A utilização do crédito rotativo sujeita o titular do cartão ao pagamento de juros.

Meu cartão de crédito, mediante a negociação do parcelamento, ficará bloqueado? Não poderei usar ele mesmo com crédito?

 O cartão de crédito não ficará bloqueado para uso. Mas o saldo financiado compromete o limite do cartão. Contudo, ele é restabelecido mediante o pagamento das parcelas. Exemplo: a fatura do consumidor atingiu R$ 1.000 e ele pagou apenas R$ 300, mesmo com um limite de R$ 2 mil no cartão.
Ele terá R$ 1.300 de saldo, mas R$ 700 de débitos no rotativo (contabilizando encargos). 30 dias depois, o banco o acionará para um acordo. Ele opta por um parcelamento em 10 parcelas e o valor da parcela fica R$ 77 ao mês. Mediante o pagamento do valor acordado com o banco, o crédito remanescente é restabelecido.

Os bancos tiveram pouco mais de dois meses para se adaptar à nova medida, que obrigou as instituições financeiras a transferirem para o crédito parcelado, que cobra taxas menores, os clientes que não conseguirem quitar o rotativo do cartão de crédito nos primeiros 30 dias.

Durante esse período de quase dois meses, os bancos definiram as novas taxas para o crédito parcelado. De acordo com a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a medida tem o potencial de reduzir pela metade os gastos com juros em 12 meses.

Impacto

No entanto, o diretor econômico da entidade, Miguel de Oliveira, diz que o impacto das medidas sobre os juros só será conhecido nos próximos meses.

“Em primeiro lugar, muitos bancos fixaram taxas bem elásticas, que podem chegar de 1,99% a 10% ao mês, dependendo da instituição financeira e do histórico [capacidade de pagamento] do consumidor. Então, fica difícil saber qual será o efeito efetivo, porque cada consumidor tem uma taxa personalizada, e a gente precisa ver quem não conseguirá pagar a fatura integral”, acrescentou Oliveira.

Rotativo do cartão de crédito começou hoje, o que diz os especialistas


Para especialistas, as mudanças contribuem para a redução da inadimplência de uma forma geral. De acordo com a mais recente Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional da Indústria, e divulgada na semana passada, 76% das famílias com dívidas tinham o cartão de crédito como a principal modalidade de financiamento em março. E o número de famílias que não terão como pagar as dívidas e, portanto, permanecerão inadimplentes, chegou a 9,9%.

Por isso, esse novo estímulo, que pode iniciar um processo de atenuar juros considerados “exorbitantes” não deve ser visto como um incentivo para os consumidores assumirem novas dívidas, explica Vinícius Brunassi, coordenador do instituto de finanças da Fecap. “A estratégia de parcelamento de cartão continua sendo uma modalidade muito cara. Saímos de algo entre 500% ao ano para algo em torno de 150%, que ainda é assustador e pesado”, diz.

A partir de agora, o consumidor precisará estar atento aos diferentes modelos de cobrança adotados pelos bancos. Isso porque o CMN delimitou apenas linhas gerais da nova regra, o que abriu espaço para que cada instituição financeira estabelecesse seus próprios critérios para os pagamentos parcelados. Outra mudança importante é que o valor mínimo das faturas vai crescer a partir de hoje. Nessa cobrança, será incluída uma parte ou todo o saldo do rotativo, dependendo do que cada banco estipular.

Rotativo é a pior forma de financiamento pessoal, aponta economista

O que é o rotativo do cartão de crédito, como funciona atualmente o pagamento?
Essa expressão ‘rotativo’  foi um termo que encontraram para designar o saldo remanescente que as pessoas deixam nos seus respectivos cartões de crédito. Se uma pessoa tem uma fatura com valor total de R$ 1 mil e paga o mínimo que o cartão de crédito permite, que é de 15%, os R$ 850 remanescentes representam o crédito rotativo. Essa é a pior forma de financiamento pessoal que os consumidores podem ter à disposição. É a mais cara. No Brasil chega-se a cobrar os juros sobre esse valor remanescente de mais de 450% ao ano. Eu costumo dizer que isso não tem nenhuma civilidade. Um país como o Brasil, que já atingiu um nível de desempenho econômico, não poderia permitir algo dessa natureza.

O que muda no pagamento com as novas regras?
As administradoras, de forma geral, vão adotar possibilidades diversas para que as pessoas quitem o remanescente. É uma coisa nova, mas a expectativa é de que as administradoras vão adotar procedimentos flexíveis para a possibilitar a capacidade de pagamento. Isso é uma necessidade por conta do alto número de inadimplência das famílias brasileiras.

O leitor Ricardo Henrique pergunta se as novas regras valem para qualquer valor, entre o mínimo e o total, ou apenas para quem paga o mínimo?

O entendimento é de que aquilo que você tem como remanescente, chamado de rotativo, estaria sujeito ao financiamento. Se o cliente pagou só 20% ou 30%, o remanescente também estaria dentro do financiamento (pelas novas regras). Mas é importante comparar o financiamento que você pode ter além do que o banco está te oferecendo. Você pode ter um financiamento mais barato na linha do que chamamos de (empréstimo) consignado.

Já a Selma diz que deve  a um cartão de um banco que faliu e agora o valor está absurdo. Como ela pode sair dessa situação?

Quando você se dispõem a ir na casa do credor, chega com moral. É importante dizer que está disposto a pagar, mas negociando. Um exemplo é pedir a retirada de multas para que o valor fique menor.

Uma linha tentadora é o cheque especial, que tem taxas muito altas. Vale a pena usar o cheque especial para pagar o total do cartão de crédito?
Qualquer modalidade de financiamento que você encontra para quitar o que está sendo mais alto, em tese é melhor. Mas o melhor mesmo é procurar outras modalidades de financiamento que estão muito abaixo, como o empréstimo consignado, que tem um custo mais baixo, e que poderia ser ainda menor.

É melhor usar o cartão de débito do que o de crédito? Pergunta  Marcello Fontes.
Uma das orientações é chagar ao final do mês e quitar a parcela integralmente. Quando você usa o cartão de débito está pagando à vista ou entrando no cheque especial. É importante perguntar, no momento da compra, se tem alguma vantagem de desconto. O fundamental é se planejar, saber o quanto está gastando no cartão de crédito. Se você tem uma boa relação com a operadora, quando ela te cobrar a taxa de administração (anuidade), você tem  a possibilidade de não pagar. A operadora tem o interesse em manter o cliente e uma pressão sempre funciona.

O cartão de crédito nunca deve ser utilizado como complemento do orçamento, mesmo para aqueles consumidores de menor renda, para os quais o crédito pré-aprovado muitas vezes representa um importante meio de inclusão nos padrões de consumo. “As pessoas precisam trabalhar com alguma estratégia de planejamento financeiro pessoal, para sempre, na medida do possível, ter uma reserva de emergência. O crédito rotativo somente deve ser utilizado em situações de emergências”, orienta.