PS4 desbloqueado: destravamento da segurança do console já é possível instalar e jogar games piratas


Hackers do KOTF (Knights of the Fallen) provou que é possível contornar a segurança do PlayStation 4 e instalar jogos pirateados. Eles colocaram na rede os títulos “Grand Theft Auto 5”, “Far Cry 4” e “Assassin’s Creed 4” — todos disponíveis em arquivos gigantes.

Como tudo tem um porém, a começar pelo fato de que o hack criado pelo KOTF só funciona em PS4 com firmware v1.76, que foi lançado em agosto de 2014 — o mesmo que já tinha sofrido um jailbreak em dezembro do ano seguinte.

Se você tem um console mais novo, já não conseguirá acessar esses jogos, porque ainda não é possível fazer downgrade do console. Se possui um com tal firmware, não pode conectá-lo à internet, porque a Sony conseguirá bloquear o jogo pirateado.

E tem mais: jogos novos demandam versões mais novas de firmware, portanto, não espere que um “Uncharted: The Lost Legacy” possa ser jogado de graça.

Sem contar que esses não são os únicos impedimentos. Não é apenas uma questão de baixar os jogos — que estão divididos em pacotes de 90, 54 e 84 arquivos de 500 MB cada —, transferi-los a um HD externo e importar para o console. O KOTF divulgou um texto com instruções tão complexas que fica claro que esse hack não vai chegar à massa.

Hackers conseguem invadir sistema do PS4 e instalam versão do Linux

O grupo hacker fail0verflow conseguiu burlar a segurança do console PS4 para instalar uma versão do Linux. Esse mesmo grupo já tinha invadido sistemas do PS3, Wii e Wii U.

Eles fizeram um vídeo que foi exibido no 32o Chaos Communication Congress, conferência sobre segurança digital e política envolvendo tecnologia. Eles postaram um vídeo mostrando como fizeram a invasão e rodaram uma versão emulada de “Pokemon”.

Segundo os hackers, a versão do Linux instalada no PS4 necessitou de 7 mil modificações no kernel para poder rodar corretamente. Mas ainda é necessário mais algumas mudanças, já que esta versão do sistema está em fase de desenvolvimento. Eles estão melhorando a aceleração 3D e o áudio em HDMI.

A versão do Linux para PS4 foi publicado na rede, mas ainda não pode ser utilizado. O fail0verflow não tem planos de distribuir o hack. É bom lembrar, no entanto, que foram eles que distribuíram um dos modos de desbloquear o PS3, o que possibilitou o uso de jogos piratas no videogame.

Se fosse possível desbloquear o PS4, os usuários poderiam, teoricamente, instalar o Steam e rodar jogos da Valve diretamente no PS4.

Glacier White: nova geração do PS4 começa a ser comercializada a partir de R$ 1500


Apresentado no começo do mês, o modelo Glacier White tem um HD de 500 GB e está disponível na região “PAL”, que engloba a maior parte de Ásia, África, Europa, América do Sul e Oceania.

Não há diferenças de preço em relação ao modelo tradicional de 500 GB. Assim, o PS4 “glacial” deverá ser vendido no Brasil por algo em torno de R$ 1.500. A Sony não anunciou uma versão com 1 TB, que, em preto, custa cerca de R$ 2.400.

A nova versão do PlayStation 4. Batizada de Glacier White, a edição tem como diferencial o fato de que o console e o controle Dualshock são quase inteiramente brancos.

Novo Mega Drive da Tectoy tem preço e data de lançamento definida, veja listas de jogos na memória


A Tectoy vai relançar o Mega Drive no Brasil em junho de 2017. O console clássico da Sega virá em edição limitada com o seu design original, incluindo o joystick de três botões.

O videogame terá 22 jogos na memória (veja lista abaixo) e entrada para cartuchos, embora a Tectoy alerte que alguns jogos em fita “podem não funcionar por causa das diferenças em relação ao hardware e ao software originais”.
A pré-venda do relançamento do Mega Drive foi aberta nesta segunda-feira (31) no site da Tectoy (clique aqui) por R$ 400. No boleto, sai por R$ 380. O site informa que o preço é promocional e limitado e que, a partir do lançamento do console em 2017, ele será reajustado para R$ 450.


A Tectoy disponibilizou uma seção de perguntas frequentes sobre o relançamento do Mega Drive (clique aqui). O texto informa que a nova versão do Mega Drive “não é um emulador”. O aparelho não tem saída HDMI, mas vem com uma entrada para cartões SD.

A Tectoy informa ainda que “até o momento não há uma definição” a respeito do relançamento de cartuchos: “A Tectoy gostaria de lançar cartuchos, mas para tanto é preciso negociar as licenças, um assunto complexo em se tratando de jogos e marcas criadas décadas atrás”.


Relançamento foi ‘pedido dos fãs’

Em nota, o presidente do conselho da Tectoy, Stefano Arnhold, comentou o relançamento. “Relançar o Mega Drive, o mais bem sucedido videogame da Sega, foi a forma que encontramos para comemorar os 30 anos da Tectoy e ao mesmo tempo homenagear toda uma geração que viveu intensamente conosco as décadas de 80 e 90”, afirmou.

O CEO da Tectoy, Tomás Diettrich, lembrou que a ação marca os 30 anos da empresa e explicou que ela atende “a um pedido dos fãs”. 

Veja os jogos que vêm na memória do novo Mega Drive:

“Alex Kidd”

“Alien Storm”

“Altered Beast”

“Arrow Flash”

“Bonanza Brothers”

“Columns”

“Decap Attack”

“E-Swat”

“Fatal Labyrinth”

“Flicky”

“Gain Ground”

“Golden Axe”

“Golden Axe 3”

“Jewel Master”

“Kid Chameleon”

“Last Battle”

“Out Runner”

“Sega Soocer”

“Shadow Dancer”

“Shinobi 3”

“Sonic 3”

“Turbo Outrun”

Nintendo Switch: veja tudo o que já se sabe sobre o novo console da marca


A Nintendo aposta todas suas fichas nesse novo aparelho, veja abaixo tudo o que se sabe do console.

O Nintendo Switch é o novo console da conceituada Nintendo, foi anunciado em vídeo oficial na última quinta-feira. O aparelho apresenta o conceito híbrido aos videogames da empresa, com uma mistura de portátil e console de mesa e sai em março de 2017 – ainda sem preço. Saiba pelo menos 11 outras novidades confirmadas pela companhia até agora:

Nintendo anuncia o videogame Switch; verdadeiro NX tem controles removíveis

O controle já tem nome: Joy-Con

Assim como o Wii remote no Nintendo Wii e o Wii U Gamepad, o controle do Switch já tem nome: Joy-Con, uma mistura entre as palavras “Joystick” e “Controller”, pois ele funciona das duas formas. Como pode ser destacado de sua base, que apresenta um “grip” no meio, com baterias próprias, ele é usado como controle tradicional ou como o modelo menor, similar ao Wii Remote.

O controle possui dois analógicos, um em cada um dos lados destacáveis, além de botões tradicionais nas laterais. Há ainda gatilhos em cima, como esperado. Não se sabe quanto tempo vai durar sua bateria externa, ao ser destacado.

Jogos da Nintendo que virão para o Switch

Já sabíamos que The Legend of Zelda: Breath of the Wild viria para Switch, quando ainda era chamado apenas de NX. Com o trailer revelado pela Nintendo, tivemos a confirmação de pelo menos mais três jogos: Mario Kart, Super Mario e Splatoon.

Enquanto Splatoon e Mario Kart não mostraram nenhuma novidade visível para a versão do Switch, o game de Super Mario exibiu uma fase que nunca vimos antes, com temática de Velho-Oeste, com o famoso mascote da Nintendo dando seus pulos por aí. Os lançamentos dos jogos ainda não possuem data.

Multiplayer entre quatro pessoas exige mais aparelhos

Como esperado, o trailer também mostrou o Switch interagido com o modo multiplayer em alguns jogos. Enquanto games para dois jogadores devem funcionar bem com apenas um console, modos multiplayer local para quatro pessoas, por exemplo, devem exigir mais aparelhos presentes, ligados por meio de algum tipo de comunicação sem fio.


No trailer, vemos pessoas participando de uma sessão de NBA 2K17, jogo de basquete da 2K Sports. São quatro os jogadores presentes, cada um com um controle na mão, porém há duas telas do Switch na mesa, indicando dois consoles rodando o título.

Console recarrega e armazena a tela

Já sabemos que o Switch terá um “modo tablet”, já que ele pode ser ligado na TV de sua casa, mas também tem uma tela destacável, que pode ser levada por aí. Essa tela fica armazenada dentro do console, que também funciona para recarregar suas baterias internas.


Vale lembrar que a tela pode ser usada como uma “micro-TV”, bem portátil, com direito a stand para deixá-la de pé, ou de forma parecida com o GamePad, com os controles encaixados em suas laterais, como se fosse um tablet exclusivo para games.

Switch vai usar cartuchos

Dê adeus aos discos arranhados! O Nintendo Switch vai usar cartuchos para jogos. O trailer mostra um cartucho sendo inserido para iniciar o game no console e a empresa também já confirmou a informação por meio de imagens oficiais.

Para muitos isso pode parecer um retrocesso, mas não indica necessariamente jogos pequenos ou “mais feios”. Vale lembrar que portáteis potentes, como PlayStation Vita e New Nintendo 3DS, também utilizam cartuchos e não são limitados pela mídia. Além disso, eles podem ser mais práticos de armazenar e ter menos riscos de sofrerem algum dano.


Nintendo quer entrar nos eSports

Está mais do que claro que o Switch também foi pensado para levar a Nintendo aos eSports, ou esportes eletrônicos, categoria para jogadores profissionais e que ganham a vida disputando torneios. No trailer, vemos jogadores treinando Splatoon, game de tiro também lançado no Wii U, e logo em seguida disputando uma partida no palco, contra outra equipe, além da torcida.

Isso indica um passo gigantesco para a Nintendo, que até pouco tempo teve problemas com o uso de Super Smash Bros. em torneio como o EVO. Por ora, o trailer apenas indica a intenção da empresa, mas tudo vai depender da aceitação do mercado e dos jogadores.


Switch usa tecnologia da Nvidia

O processador do Switch foi feito pela Nvidia, gigante das placas de vídeo e de acessórios para computadores e jogos. O processador Tegra está dentro do console e promete exibir gráficos caprichados nos mais diversos games, com arquitetura Geforce.

A novidade foi divulgada pela própria Nvidia, e não pela Nintendo, mas confirma rumores de alguns meses atrás, que já mencionavam essa parceria. Mais detalhes sobre o que isso significa devem ser revelados ao longo dos próximos meses.


Lançamento em março, mas nada ainda no Brasil

O lançamento do Switch está confirmado para março de 2017 na Europa, Japão e Estados Unidos, mas sem data detalhada. No Brasil, o futuro do console é incerto, já que a Nintendo deixou de operar no país já há alguns meses, perdendo sua representação oficial por aqui.


Apesar de o lançamento estar confirmado, não há ainda menção de preços ou também de quando os primeiros jogos saem – o mais provável é que títulos como Super Mario e outros mais simples cheguem junto com o console, no lançamento.

Nintendo tem apoio das produtoras

A Nintendo se preocupou em mostrar que o Switch já conta com grande apoio de empresas que vão desenvolver jogos para o console. O Wii e Wii U também receberam essa atenção, mas a quantidade de empresas no novo aparelho é ainda maior.


Entre os nomes confirmados estão Activision, Capcom, Konami, Square Enix, Platinum Games, From Software, Atlus, Arc System Works, Bethesda, Ubisoft, Spike Chunsoft, Sega, DeNa, Criware, Havok, Warner Bros., Bandai Namco, Unity, THQ Nordic, EA, Telltale, Frozen Byte e Koei Tecmo. Praticamente todas donas de grandes marcas e títulos já lançados.

Quatro formas de se controlar

Como citamos, o controle do Switch se destaca de sua base e pode virar um joystick secundário. O console, na verdade, tem quatro possíveis formas de se controlar. Há o Joy-Con conectado ao grip, o Joy-Con desconectado e utilizado como um Wii Remote, com o Joy-Con conectado na tela, como um tablet.


O Pro Controller é um joystick no formato mais “padrão”, seguindo de perto o mesmo modelo lançado no Wii e Wii U. A jogabilidade deve mudar pouco entre as opções de controle, o que é um alívio para quem gosta de ter opções. Nada foi mencionado sobre tela sensível ao toque, então não se sabe se o Switch possui essa funcionalidade.

Não há trava de região

A Nintendo finalmente ouviu seu público e o Switch não terá trava de região. Isto é, um console comprado na Europa pode rodar jogos lançados nos Estados Unidos e vice-versa, sem qualquer impedimento.


A trava de região sempre foi alvo de reclamações no Wii U e 3DS, principalmente por conta dos jogos japoneses que não são lançados no ocidente – o que impede que os fãs orientais que vivem no ocidente ou que saibam japonês importem legalmente estes títulos.

Informações via TechTudo

Nome verdadeiro do mc lan