Maria Bonita na 30ª Edição da São Paulo Fashion Week


 

Moda. O desfile da grife Maria Bonita na 30ª edição da São Paulo Fashion Week trouxe uma coleção leve e rica em transparência. A coreografia do desfile também foi diferente agradando aos críticos, as modelos desfilaram sozinhas, em duplas, trios e quartetos em um cenário que era feito com madeira de tapumes.

O desfile teve inspiração nos candangos, nome dado aos migrantes que se instalaram em Brasilia para construir as obras de Oscar Niemeyer. Nas passarelas as peças tinham cortes bastante ousados. As bolsas penduradas nos pescoços faziam duplo papel, eram também os vestidos e calças que representavam a bagagem dos trabalhadores responsáveis pela construção das obras em Brasilia.

As peças rústicas nos vestidos de feltragem em seda com muita transparência traziam grandes decotes nas costas. Na cartela de cores, caqui, cinza e bege ganharam destaque ao lado de acessórios inusitados. Os fechos das bolsas também eram bastante criativos e inovadores em forma de pregos, as carteiras representavam as marmitas e a pochete reaparece.

Os chapéus de malha com aspecto de deformado e ressecado pelo sol faziam a cabeça das modelos e nos pés tênis de couro e biqueira de acrílico. Celso Kamura responsável pelo make explica que as sardas feitas com air blush representam as mulheres humildes, mas de forma contemporânea. “Elas eram pobres e não tinham condições de passar uma maquiagem”.

Maria Bonita na 30ª Edição da São Paulo Fashion Week

Por Priscilla Costa

Sapatos: acerte na escolha sem prejudicar o seu corpo


Resistir à sua elegância é difícil, mas o salto alto demais traz muitos prejuízos ao corpo. Segundo o ortopedista Marcelo Cavalheiro, esse tipo de calçado pode causar hiperlordose (acentuação da lordose, que é uma curva natural da coluna) e dor nas costas. Nos joelhos, pode ocorrer a chamada síndrome femoropatelar (dor na região da patela, também conhecida como rótula) e condromalácia patelar (machucado da cartilagem da patela), além do risco maior de entorse (distorção violenta que rompe os ligamentos de uma articulação), que gera ainda mais lesões.

No tornozelo, também pode haver entorse, machucando a cartilagem ou os ligamentos dessa região. Os prejuízos são sentidos ainda nos pés: “O peso da pessoa fica no antepé, o que pode ocasionar metatarsalgia (dor na parte frontal do pé), joanete, calosidades, bolhas e retração do tendão de Aquiles?, conta o ortopedista. Por esse conjunto de problemas, a pessoa pode desenvolver algum tipo de problema postural com o uso constante de salto.

“Também pode acontecer de os músculos isquiotibiais – aqueles que vão da perna até acima dos quadris – ficarem encurtados, gerando ainda mais sobrecarga na coluna”, diz o ortopedista Fabiano Faria, do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Outro problema  dos saltos se popularizou com a apresentadora Xuxa, a sesamoidite, uma inflamação nos ossos sesamoides, que estão localizados na parte dianteira dos pés. Com o acúmulo de pressão decorrente do uso de saltos, a inflamação ocorre, causando dores, calos e inchaço na região.

A solução para as amantes de salto é simples: diminuir o tamanho. “Deve-se evitar usar esse salto muito alto em muitos dias da semana, já que, quanto mais se usa, maior será a incidência dos problemas”, aconselha Fabiano.

Salto fino demais…

Toda mulher vira uma equilibrista quando calça um sapato com salto fino demais – o que é um grande problema, já que a caminhada fica instável e o corpo, desequilibrado. “Esse salto pode provocar os mesmos transtornos do salto alto, além de agravar ainda mais o entorse de joelho e tornozelo”, explica Marcelo Cavalheiro. Para o ortopedista Fabiano Faria, a única solução é aumentar a largura desse salto, para que o caminhar fique mais estável: “Quanto mais fino, mais instabilidade para caminhar a pessoa terá”.

Salto plataforma (meia pata)…

O sapato meia pata é um dos piores: acumula os prejuízos de ser alto demais – lesões na coluna, joelho e tornozelo -, e é muito instável, já que eleva tanto a parte da frente quanto a parte de trás do pé e aumenta o risco de torções. “Essas torções costumam ser bem graves, já que, com esse tipo de sapato, o pé costuma ficar muito acima do chão”, alerta o ortopedista Fabiano Faria.

Rasteirinha…

Apesar de também ser confortável, esse calçado é baixo demais e enfrenta problemas similares à sapatilha: pode levar ao desgaste de cartilagens de quadril, joelho, coluna e tornozelo se usadas em excesso. “A rasteirinha também aumenta a incidência de entorse de joelho e tornozelo e quedas, já que se prende facilmente em qualquer irregularidade do chão”, alerta Marcelo Cavalheiro. Para aliviar os problemas, a solução é a mesma da sapatilha: procurar um sapato com salto pequeno ou com mais amortecimento.

Sapatilha…

Mesmo eleita como um dos sapatos mais confortáveis, a sapatilha também tem as suas restrições. Ela não tem sistema de amortecimento, o que aumenta o impacto ao caminhar. “O excesso de impacto pode gerar consumo de cartilagem de quadril, joelho, coluna e tornozelo, porque ocorre uma sobrecarga nessa cartilagem”, diz o ortopedista Marcelo Cavalheiro, que lembra que o uso excessivo da sapatilha também pode gerar inflamação no tecido gorduroso que reveste o calcanhar, chamado de coxim gorduroso do calcâneo.

Além disso, por ser baixinha demais, a sapatilha pode causar dores no tendão de Aquiles e fascite plantar (o famoso esporão), para quem não tem muita flexibilidade. “Até a pessoa melhorar o alongamento, ela pode usar um salto pequeno, de 2 a 3 cm, para o pé ficar ligeiramente inclinado, compensando a falta de alongamento”, diz Fabiano Faria. Mas, se você não abre mão da sapatilha, tente usar uma palmilha de silicone ou espuma.

Sapato com numeração errada…

A cena é clássica: basta achar um sapato maravilhoso e com um ótimo descontoque fica difícil resistir à tentação de levá-lo, mesmo que a numeração não seja exatamente a sua. No entanto, seja maior ou menor que seu pé, um sapato mal encaixado provoca calosidades e bolhas. “O sapato deve ser confortável para evitar quedas e bolhas, ou seja, precisa estar na o numeração correta”, indica Marcelo Cavalheiro.

Sapatos de bico fino…

O scarpin de bico fino é chique, mas seus pés podem sofrer com essa elegância. Segundo o ortopedista do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, esse sapato não deixa espaço para os dedos e pressiona-os demais, causando deformidades, tais como calosidades, bolhas e o famoso joanete. Fabiano aconselha que os sapatos de bico fino sejam substituídos por aqueles de bico mais alargado, principalmente se a pessoa tiver tendência a desenvolver joanete.

Tendência: Sapatos Chunky – Saiba como usar


Super democráticas, essas sandálias divertidas vieram da invasão noventista na moda. Elas têm tanto influência de bandas grunges e punks, como das marcantes plataformas das “Spice Girls”, gostou?

Embora não tenham muito a cara da mulher brasileira – que é chegada em calçados mais delicados – a tendência fica bem feminina quando combinada com peças leves. Ou seja, o contraste é que faz a diferença e o sapato acaba virando a peça principal do look.

Como usar chunky shoes?

Você pode apostar nos vestidos curtos, transparências e croppeds. No frio eles caem bem com jaquetas pesadas e calça jeans – se você quiser um charme a mais pode apostar na meia fina.

Já nos dias quentes as clores claras têm tudo a ver! Como explicamos acima, tecidos leves e soltinhos caem muito bem com esse tipo de sapato mais agressivo.

Se você não sabe onde encontrar os sapatos, pode dar uma olhadinha nos sites de compra internacionais ou então em alguns modelos da marca Melissa, que têm inspiração no estilo.

chu

Onde encontrar aplique de cabelo


Grande parte das mulheres tem uma preocupação e cuidado especial com seus cabelos, sendo que esta parte do corpo é considerada uma das regiões que mais chama a atenção dos observadores e, por este motivo, os fios devem estar sempre bem tratados e sedosos, para que haja a devida manutenção e para que qualquer mulher possa ganhar diversos elogios devido à sua aparência.

O sonho de muitas mulheres é possuir um cabelo longo e sem maiores problemas, porém o organismo de várias pessoas acaba não possibilitando este crescimento desejado, fazendo com que hajam diversos outros métodos para que os seus fios possam ficar maiores, sendo que um dos mais populares e utilizados por diversas pessoas é o aplique de cabelo.

Este tipo de alongamento para seus fios é colocado mediante à uma aplicação especial ou até mesmo com base de presilhas para que o aplique possa ser fixado em seu cabelo, possibilitando fios longos e com aparência natural.

downloadOnde encontrar aplique de cabelo à venda é uma das maiores dúvidas de várias mulheres que desejam adquirir este produto porém não sabem onde achá-lo, sendo que há diferentes locais para procurar por este acessório.

Para aplique de cabelo de tic tac, como são chamadas as presilhas, podem ser encontradas em lojas de cosméticos e até mesmo especiais para o cuidado de cabelos, com produtos de linha profissional, possibilitando uma grande variedade de tonalidades e cores para que o alongamento possa parecer natural.

Diversos salões de beleza costumam oferecer aplique de cabelo para suas clientes, sendo que o mesmo é, muitas vezes, aplicado por meio de métodos especiais para que fiquem fixos nos fios, sendo que diversos salões possuem o armazenamento de cabelos longos de suas clientes para que os mesmos possam ser utilizados para este processo.

É possível, também, comprar o cabelo em si para que a aplicação possa ser feita em um local de confiança, sendo que a venda de cabelos pode ser encontrada em locais especializados, muitas vezes nos centros das cidades, onde há perucas e diversos outros acessórios relacionados aos fios femininos, sendo que alguns deles até mesmo realizam a aplicação, caso desejar.