HP Envy Beats: GPU dedicada e fone Beats Solo são destaques do notebook


O Envy 14-1195br Beats Edition é fruto de uma parceria entre a HP e a Beats Audio, a descolada linha de fones de ouvido criada pela Monster Cable e o rapper Dr. Dre. O resultado é um notebook com configuração decente, mas não estelar (faltam o drive de Blu-ray e as portas USB 3.0), vendido em conjunto com o headphone Beats Solo by Dr. Dre, que proporciona boa qualidade de áudio, especialmente pelos graves reforçados. Mas com o fone desconectado e os alto-falantes em ação, o apelo da alta fidelidade musical acaba. Faltam potência e definição. O modelo tem design caprichado e performance. O corpo preto em alumínio e magnésio é bonito, com construção sólida. O carregamento dos discos é feito por fenda. Nas provas de desempenho, o Envy Beats tornou-se o atual recordista do INFOlab entre os laptops com telas de 14 polegadas nas provas com os testes PCMark Vantage (6908 pontos) e fez 6970 pontos no 3DMark06

O Envy Beats tem o Intel Core i5 460M (dois núcleos e quatro threads) com 2,52 GHz de clock, que não pertence à geração Sandy Bridge, mas dá conta do recado. 500 GB de HD e 4 GB de RAM compõem os circuitos de memória.

Já a boa marca do 3DMark06 foi possível graças à placa de vídeo AMD Mobility Radeon HD 5650. Ela possui 2714 MB de memória, dos quais 1 GB é dedicado. Esses números garantem um desempenho razoável durante a execução da grande maioria dos jogos. Eles também não desapontam na hora de executar filmes em HD ou de editar imagens. É possível alternar entre a GPU da AMD e a placa on board da Intel para economizar energia.

No quesito conexões, o Envy Beats apresenta uma boa seleção. Das três portas USB 2.0, uma é mista com eSATA. Bluetooth e Wi-Fi estão inclusos para as conexões sem fio e uma ethernet proporciona o acesso às redes cabeadas. O leitor de cartão da máquina é compatível com os formatos SD e MMC. O sinal de vídeo pode ser transmitido por via HDMI ou pela mini DisplayPort, uma surpresa agradável. Quanto às conexões de áudio, uma única P2 aceita tanto fones quanto microfones. Uma fenda para o drive óptico DVD-RW completa a lista. O fato de um notebook desse porte não conta com uma USB 3.0 é um pouco frustrante.

O display LED de 14 polegadas é de qualidade, capaz de atingir um nível de brilho alto. Apesar de não ser glossy, ele não deixa a desejar na intensidade de cores ou na amplitude do contraste. Sua baixa reflexividade também o torna menos inconveniente em ambientes muito iluminados. Já o fone de ouvido da Beats Audio, que por si já é mais interessante que o sistema de áudio embutido, agrada ainda mais por vir com um cabo extra que inclui um microfone.

Nota: 8,0

Ficha Técnica: Tela de 14,5″, Intel Core i5 460M 2,53, GHz, 4 GB, HD de 500 GB, AMD Radeon HD 5650, 1 GB, DVD-RW2,5 Kg, Windows 7 Home Premium 64 bits, 1h18min de bateria

Valor: 6,860

    • Saiba mais sobre o HP Envy Beats:

CF-31: resiste a quedas de até 1,80 metro, a calor e frio extremos


O notebook que você vê na foto acima enfrentou uma série de duríssimos testes. Caiu no chão, tomou banho numa fonte e dividiu espaço em um freezer industrial com sorvetes e batatinhas congeladas. Mas o Panasonic Toughbook CF-31 sobreviveu a tudo sem parar de funcionar. Trata-se de um notebook incomum, a começar pelo design em forma de maleta 007 que o deixa parrudo e pesado. Envolvido por um corpo feito de liga de magnésio que o torna resistente a condições extremas, o Toughbook pode cair de uma altura de 1,80 metro, quicar e deslizar pelo chão sem sofrer nenhum tipo de avaria. Mesmo com o forte impacto, a tela de 13,1 polegadas permanece intacta e o Windows rodando. O máximo que pode acontecer é ganhar alguns arranhões na parte externa.

O Toughbook é também resistente a temperaturas extremas. Segundo a Panasonic, ele pode ser usado em regiões onde o frio chega a 28 graus negativos ou mesmo na neve. Que tal uma expedição na Antártica? Ao contrário, se o usuário estiver num local quente, de até 60 graus, como uma sauna úmida, o Toughbook vai iniciar o Windows 7 Professional sem suar, como se estivesse na mesa de um escritório com temperatura agradável de ar-condicionado.

O notebook durão é destinado a empresas com operação de alto risco, como petroleiras, refinarias, siderúrgicas e geradoras de energia. órgãos de segurança pública também podem optar pelo computador para equipar viaturas, já que o Toughbook aguenta bem as trepidações resultantes da alta velocidade dos carros de polícia e a água dos caminhões de bombeiro.

Forças militares também costumam se interessar pelo Toughbook, não só por sua cara de mau, mas por atender ao padrão militar 810G e ao certificado IP65. Eles indicam que o notebook está preparado para situações de guerra, como mudança brusca de temperatura, poeira em excesso e rajada de partículas de pedras. Aos tiros de metralhadora o Toughbook ainda não resiste. Talvez numa próxima versão

O Panasonic Toughbook foi testado e é equipado com processador i3 M350,tem 2GB de RAM e HD de 160GB. Ele pesa 3,05 quilos. A configuração é boa para notebooks da mesma categoria (aqueles com tela de 12,2″ a 13,5″). Mas o Toughbook fica devendo quando é exigido para trabalhos comuns do dia a dia, como a execução de vídeos e o tratamento de imagens, por exemplo.

Sua força é proporcional ao desconforto. O touchpad do notebook da Panasonic exige pressão extra dos dedos para mover o cursor. O mesmo esforço precisa ser feito para abrir as portas laterais que lacram as conexões HDMI, USB, Wi-Fi, de rede e energia, além dos compartimentos que armazenam o HD e o drive de DVD (não disponível na versão testada). O esforço extra tem uma explicação: as travas fortes protegem as conexões durante as eventuais quedas do Toughbook.

Nota: 7,7

Ficha Técnica: Tela de 13,1”,  sensível ao toque e antirreflexiva, Core i3-350M,  2,77 GHz2 GBHD de 160 GBWindows7,  Pro 64 bitsDuração da bateria em uso intenso: 1h04min

Valor: R$ 18.000

  • Saiba mais sobre o CF-31:

Aprenda a estender a vida útil da bateria de seu notebook


 

  • 1. Condicionando sua bateria (notebook novo):

Com exceção de alguns fabricantes que já fazem o processo de fábrica, é recomendável condicionar sua nova bateria. Assim, carregue totalmente a bateria (100%), deixando o notebook carregando durante 8 horas. Repita o processo 3 a 4 vezes após o descarregamento total (0%). Isso dará carga máxima a todas as células de sua bateria. Esse processo pode ser feito no futuro para recalibrar a bateria;

  • 2. Minimize o número de ciclo de cargas:

As células das baterias de íon de lítio sofrem perda gradual e irreversível de capacidade a cada ciclo de descarga-carga. Por isso, o ideal é minimizar os ciclos. A perda ocorre mais rapidamente quando a temperatura da bateria aumenta. Segue abaixo uma lista de ações que você pode realizar para evitar o aumento da temperatura:

  • Desligue o Bluetooth e o Wi-Fi quando não precisar usá-los;
  • Diminua o nível de brilho da tela;
  • Remova periféricos que não estão em uso;
  • Reduza o número de aplicativos abertos;
  • Se for usuário Windows, baixe o FixIt para executar um script de verificação de configurações em sua máquina, visando otimizar o consumo da bateria. Basta instalar e executar a aplicação, o processo é bastante intuitivo;
  • 3. Remova a bateria do notebook quando não for utilizá-la:

A taxa de descarga espontânea de uma bateria de íon de lítio será maior se ela for deixada em um notebook desligado por mais de duas semanas. Porém, tenha sempre cuidado e paciência ao remover a bateria ou você poderá desgastar os contatos com o tempo. Não deixe que os contatos da bateria toquem outros objetos de metal. Esse cuidado evita que a bateria sofra danos causados por curto-circuito;

  • 4. Utilize periodicamente sua bateria:

Se sua bateria ficar guardada e passar por uma longa falta de uso, a carga cairá para abaixo do nível de baixa tensão recomendada. Dessa forma, se você utiliza muito o notebook diretamente na tomada, procure usá-lo pelo menos uma vez por semana somente com a bateria. Além disso, se você deixar a bateria num notebook desligado por muito tempo, a taxa de descarga espontânea da bateria de íon de lítio será maior também;

  • 5. Evite guardar sua bateria descarregada:

Deixar a bateria descarregada por muito tempo acelerará a diminuição da capacidade total de carga. Manter a bateria com muita carga em um ambiente com temperatura alta por muito tempo também acelera a perda de capacidade. Resumindo: ao remover a bateria não guarde-a totalmente carregada ou descarregada. O ideal é guardá-la com a metade da carga – entre 40-50% da carga total.

  • 6. Evite utilizar a bateria durante a execução de aplicativo que utilize muitos recursos:

Aplicativos avançados aceleram a bateria e estimulam sua perda de capacidade. Renderizações em 3D, por exemplo, consumem muito mais velocidade da bateria do que um mero processador de texto.

  • 7. Mantenha a bateria limpa – A limpeza dos contatos da bateria pode ser realizada com cotonete e álcool. Isso ajuda a manter uma boa ligação entre a bateria e o dispositivo eletrônico.
  • 8. Mantenha a bateria em local arejado:

A bateria se degrada mais rápido quando aquecida com frequência. Desse modo, evite colocar o seu laptop na cama ou em superfícies almofadadas. Estas superfícies impedem a dissipação de calor e podem até queimar seu notebook. Deixar também o notebook dentro do carro quente durante horas não é uma boa ideia. Isso também acelera a deterioração das células de íon de lítio.

  • 9. Retire a bateria do notebook se ele ficar conectado à alimentação continuamente:

Por mais que a bateria deixe de ser afetada quando obtém carga total, não é recomendável deixá-la plugada no notebook caso você o utilize ligado na tomada por mais de duas semanas.

MSI apresenta seu novo notebook focado no público gamer


A MSI acaba de apresentar seu novo notebook focado no público gamer. O modelo parrudo é o GE620DX, que tem um hardware bem caprichado. A tela tem 15,6 polegadas com resolução de 1366 x 768 pixels.

O processamento do notebook é feito por um espetacular Intel Core i7 quad-core de segunda geração. É o modelo 2630QM, que tem velocidade de 2 GHz, com boost de até 2,9 GHz e cache de 6 MB. O processamento gráfico é realizado por uma placa GeForce GT 555M, de 2 GB de memória.

Outro ponto bem interessante da máquina é a tecnologia THX TruStudio Pro de som, que segundo a MSI, chega pela primeira vez a notebooks – antes ela só era encontrada em cinemas. Ele vem também com porta USB 3.0, saída HDMI e uma webcam integrada que capta vídeos em até 720p.

A MSI não forneceu nenhuma informação concreta sobre em que mercados o notebook será lançado. Outro dado não informado foi o preço previsto. Mas, pegando uma máquina com essa configuração e alguns impostos, caso ele chegue ao Brasil, o preço não será dos mais atraentes.