Emboscada ou Lombada Eletrônica: uma máquina de fazer dinheiro


Por Roberto Cavalcanti, ex-senador da República.

Quem me conhece sabe que sou disciplinado. E extremamente consciente do valor do dinheiro – principalmente com gastos que não estão sob nosso controle.

Minha disciplina e consciência, porém, não têm me protegido dos assaltos eletrônicos que nos aguardam nas estradas do País.

E quem estaria a salvo dessas emboscadas?

O brasileiro perdeu completamente o controle e capacidade mental de assimilar a variação de velocidade imposta pelos nossos órgãos de trânsito – em todas as suas esferas (municipal, estadual, federal).

Uma arapuca tão bem armada que – desconfio – nem Senna sairia ileso.

Não sou nenhum Ayrton, mas imodestamente me considero um motorista acima da média – herança dos meus treinos de kart, onde somos capacitados para tomar decisões rápidas em frações de segundos.

Mas como prever que, na curva adiante, o limite de velocidade das rodovias brasileiras (de 100 quilômetros) baixará subitamente para 80 quilômetros e, ato contínuo, permitirá que a velocidade inicial seja retomada para, nos metros seguintes, determinar que o teto da velocidade estacione na casa dos 30 quilômetros?

Em minhas incursões pela região, anotei nada menos do que sete limites de velocidade – a saber: 30, 40, 50, 60, 70, 80 e 100 quilômetros.

E não se enganem: por traz de tudo isso tem sempre uma empresa, que disputa os serviços a tapa, para abocanhar parte do lucro gerado com multas.

Detalhe: algumas lombadas funcionam em regime de 24 horas; outras são desligadas a partir de determinado horário (sem aviso prévio).

Diante dessa gangorra, nossas prioridades nas estradas mudaram.

lombada_eletronica2Antes, o motorista se preocupava em não bater e chegar são e salvo em seu destino.

Hoje, um percurso entre João Pessoa e Recife, por exemplo, se transformou em um ato de extrema perícia – no limite do impossível – para escapar das ciladas, intencionalmente armadas para tomar dinheiro do cidadão.

Você tira seu carro da garagem, dá umas voltas no entorno e não sabe quanto vai gastar com o périplo.

Ultimamente, na tentativa de escapar das ciladas, tenho usado minha mulher, Sandra, como co-pilota. Eu me concentro no trânsito, ela nas lombadas – inclusive as físicas, quase sempre mal sinalizadas, que já produziram tantas vítimas.

Devo ressaltar que sou defensor da disciplina no trânsito, evitando os excessos de velocidade, responsáveis por inúmeros sinistros.

O que não posso concordar é com essa estratégia deliberada para nos assaltar. Esse verdadeiro “mãos ao alto”, que tem substituído a real missão dos órgãos do trânsito: orientar o brasileiro a manter suas mãos no volante, concentrado no que realmente importa, que é a segurança.

E é isto o que efetivamente me incomoda e revolta: a intenção.

A brusquidão com que os limites de velocidade mudam sinaliza, de forma muito clara, que a última preocupação dos órgãos de trânsito é com a segurança.

O que eles desejam mesmo – e são muito bem sucedidos em suas empreitadas – é arrecadar.

Com um foco desses, não surpreende que o trânsito do País siga enlutando as famílias brasileiras e figurando entre os mais violentos do mundo – enquanto esvazia cada dia com mais voracidade o bolso do cidadão.

    BAIRRO ALTO - RUA PERCY FELICIANO DE CASTILHO - PERTO DA LOMBADA ELETRôNICA

    Vídeo da rua percy feliciano de castilho próximo ao terminal bairro alto e a estátua do Índio na frente da feirinha do bairro alto.

    MOTORISTAS PASSAM A 30KM/H, MAS VELOCIDADE EM RADAR ULTRAPASSA 80KM/H

    Www.midiamax.com.br.

    OS 10 RADARES QUE MAIS MULTAM EM SãO PAULO 4º E 3º

    O 4º e 3º lugar que mais multam em sÃo paulo vou desnudar ; mostrar ; desmascarar ; denunciar os dez (10) pontos de ... Tudo sobre Emboscada ou Lombada Eletrônica uma máquina de fazer dinheiro

Uma resposta para “Emboscada ou Lombada Eletrônica: uma máquina de fazer dinheiro”

  1. Concordo, passamos muito mais tempo dirigindo preocupados com multas do que com o trânsito em si, o que torna dirigir potencialmente perigoso.
    Aliás, na minha opinião, para se dirigir com segurança, é preciso estar mais atento ao trânsito do que as milhares de placas e lombadas eletrônicas.
    Eu moro em Rio das Ostras, e para ir ou vir do Rio de Janeiro, eu sempre escolho a BR-101, por que é mais simples passar por ela, que apesar de ser perigosa, não é tão tensa como se passar pela estrada via lagos, que apesar de ser via dupla, tem trocentas placas e pardais loucos para te ferrar.
    O incrível é que há umas placas que te fazem reduzir para 60km mas não há a placa dizendo que vc pode voltar a 100km, quando há, ela está muito aquém do ponto onde se deve passar a 60km.
    Enfim o negócio não é educar mas sim arrecadar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *