Pacotes abaixo do custo das operadoras Claro TV, Net, e Sky: polícia prende quadrilha de operadora clandestina


Quadrilha que oferecia TV por Assinatura clandestina é desarticulada pela Polícia Civil. A Polícia Civil de São Paulo prendeu hoje (22) uma quadrilha que fornecia clandestinamente pacotes de TV por assinatura para mais de 5 mil pessoas no estado de São Paulo.

De acordo com o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), eram oferecidos, abaixo do custo, pacotes das operadoras Claro TV, Net, e Sky nas cidades de Jaú e São Carlos, principalmente. Os criminosos atuavam também na capital paulista e na Baixada Santista.

Cinco pessoas foram presas em flagrante na operação, denominada Card Sharing. Elas são acusadas de participação em organização criminosa e estelionato. Segundo o Deic, a polícia iniciou a investigação após receber denúncia de uma das concessionárias sobre desvio de equipamentos e acesso indevido ao sistema.

A quadrilha tinha equipamentos de alta capacidade para distribuir o sinal para os clientes da organização criminosa. “Eles tinham uma estrutura organizacional tão bem trabalhada que tinham uma área técnica para fazer o suporte, uma área para venda, site na internet, davam suporte técnico”, disse o delegado José Mariano de Araújo Filho, responsável pela operação.

Além de vender clandestinamente o sinal das operadoras, a quadrilha comercializava receptores desviados das concessionárias e equipamentos de venda proibida no Brasil. De acordo com a polícia, a partir de agora, o foco das investigações será apurar a participação no esquema de empregados que prestam serviços terceirizados às concessionárias.

A pirataria de sinal de televisão por assinatura, conhecida como gatonet, alcança números surpreendentes no Brasil. Se fosse uma operadora oficial, já estaria em terceiro lugar entre as prestadoras do serviço.

Pesquisa encomendada pela Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA) aponta que o furto de sinal de tevê por assinatura alcança 4,2 milhões de lares no país. Em agosto, 19,24 milhões de residências tinham assinatura de canais pagos, de acordo com os dados mais recentes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Se fosse computada, a participação da gatonet seria de 21%, abaixo apenas das duas principais operadoras do país, a NET, que detém 53,30% do mercado, e a Sky/DirecTV, com 29,22%.

Hoje, não é mais tão simples puxar um cabo para roubar sinal por causa das barreiras tecnológicas. Mas a principal forma de piratear a tevê paga é através de equipamentos ilegais que desbloqueiam os sinais das operadoras.

Esses dispositivos também não são nada difíceis de ser encontrados, basta dar uma volta em uma feira de importados ou mesmo em shoppings populares. Os decodificadores não homologados pela Anatel entram no país em forma de contrabando. Recentemente, a ABTA fez uma parceria com a Receita Federal para intensificar a fiscalização e apreender equipamentos ilegais em Foz do Iguaçu, vizinha de Argentina e Paraguai. O local é considerado o principal ponto de entrada desses equipamentos no Brasil.

Sky Play: Sky Brasil, operadora de TV por assinatura via satélite vai lançar seu serviço de streaming


A Sky Brasil, operadora de TV por assinatura via satélite, não quer ficar de fora da lucrativa brincadeira de streaming, está prestes a lançar uma versão OTT de seu serviço. A ideia é levar o conceito multi-tela para quem já é cliente da empresa. O aplicativo, batizado Sky Play, terá ferramenta de vídeo sob demanda por streaming, mas também vai trazer canais lineares.

Os clientes poderão assistir à programação em qualquer dispositivo compatível: computador, tablet, smartphone ou smartv. “A gente vai lançar o produto em dois meses, com cinco mil  títulos VOD, vai ter canal linear. Mas nosso principal produto continuará a ser a TV por assinatura”, ressaltou Agricio Silva Neto, vice-presidente de marketing e programação da Sky Brasil, durante o evento NexTV Series, que aconteceu hoje, 19, em São Paulo.

A nova plataforma estará disponível tanto para os usuários pré-pagos, quanto para os pós-pagos da Sky. Segundo o executivo, a empresa se baseia na demanda do público, cada vez mais digital e ávida por assistir ao conteúdo em qualquer lugar, não apenas na TV.

“Os últimos três anos de recessão econômica fizeram com que todos nós revíssemos nosso consumo. O pré-pago, que a gente sempre achou que seria algo dedicado apenas à classe baixa, hoje atinge muita gente, é usado também por quem tem uma segunda casa. Vemos que [a TV por assinatura] tem ainda muito o que crescer, que conteúdo de qualidade tem seu lugar. Temos que pensar na forma como distribuir isso”, frisou.

Conforme os últimos dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a Sky Brasil terminou fevereiro com 5,2 milhões de assinantes de TV, praticamente mesma base de janeiro. Em um ano, perdeu 2,68% da base. A empresa é a segunda maior em número de usuários de TV paga no país, atrás apenas da Claro (Net).

Clientes da Vivo TV continuam com sinal digital da Record, RedeTV! e SBT


As três emissoras que compõe a Simba, Record, SBT e RedeTV! decidiram manter seus sinais para clientes da Vivo. Segundo a Simba, empresa criada pelo grupo para o acordo com as operadoras de TV a cabo, “as negociações avançam de maneira positiva” e por essa razão, o conteúdo deve seguir disponível por mais alguns dias até que as conversas cheguem ao fim.

Segundo o conglomerado, a expectativa é que Net, Claro, Sky, Oi e Embratel sigam o mesmo caminho. Até agora, não houve acordo e, para os assinantes destas operadoras, o sinal sairia do ar na madrugada de hoje. A crise entre as três emissoras e a TV por assinatura se arrasta desde sexta. Record, SBT e RedeTV! querem um percentual do que os clientes pagam às operadoras, assim como canais fechados.

Nos últimos dias, a NET e a Claro veicularam anúncio dizendo que deixariam de transmitir as redes. Para elas, os canais já são gratuitos e não precisam ser pagos. A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) diz estar “acompanhando de perto a conduta das prestadoras de TV por assinatura perante os seus consumidores”. Segundo o Procon-SP, os clientes podem pedir desconto por perder os canais.

Canal Fox deixa grade da SKY: não saia perdendo, veja como buscar seus direitos


Sem chegar a um consenso sobre remuneração, a Sky,  segunda maior operadora de TV do País, atrás apenas da Net e a Fox quebraram contrato. Com isso, os canais da Fox não serão mais exibidos pela operadora. Muitos consumidores foram pegos de surpresa pelo anúncio. Eles devem conhecer seus direitos e os deveres da operadora para continuar a ter acesso a uma programação satisfatória.

Desde o último domingo (5), os clientes da Sky não têm mais acesso aos canais Fox, FX, National Geographic, Nat Geo Wild, Fox Life, Fox Sports e Fox Sports 2. Entre os shows mais famosos da programação, estão The Walking Dead e Os Simpsons.

Em nota, a Fox afirma que as condições comerciais e de distribuição oferecidas pela Sky estão abaixo dos valores de mercado e pede desculpas aos fãs pela situação. A empresa garante que a programação continuará à disposição do público no Brasil através de todos os demais sistemas de TV por assinatura. Procurada pela reportagem do JC, a Sky informou que não vai se pronunciar sobre o assunto no momento.

COMO DENÚNCIAR

Os consumidores que se sentirem lesados devem fazer denúncias no site da Anatel, no endereço www.anatel.gov.br, ou registrar uma denúncia no Procon de Pernambuco, pelo telefone 0800 282 1512, ou pessoalmente, na sede, que fica na Rua Floriano Peixoto, no bairro de São José, Centro do Recife. O atendimento acontece de segunda a sexta, das 8h às 17h.

Segundo o pesquisador de em telecomunicações do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Rafael Zanatta, o consumidor deveria ter sido avisado com 30 dias de antecedência sobre a alteração no plano de serviço oferecido pela operadora de TV paga.
A norma está prevista no Artigo 28 da resolução 488 de 2007 da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O texto prevê que o consumidor deve ser avisado por mensagem de texto ou mensagem eletrônica. Mas isso não aconteceu.

O engenheiro mecânico Josail Galindo, 41 anos, por exemplo, diz que não recebeu nenhum aviso. “Eu assistia a eventos esportivos nos canais da Fox. Estava previsto no plano de serviço. Eu soube do fim do contrato pela internet”, comenta.
A boa notícia é que caso o assinante não se interesse pela continuidade do serviço, poderá rescindir seu contrato sem ônus, mesmo se for um plano de fidelização. O direito é garantido pelo Artigo 52 do Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC), também da Anatel.

“Agora, a Sky deve oferecer descontos aos clientes ou a substituição por canais do mesmo gênero. Isso também está previsto na Resolução 488 de 2007 da Anatel”, explica Rafael Zanatta. O engenheiro Josail Galindo diz que não pretende deixar a operadora por causa do fim da transmissão dos canais da Fox, mas espera que a operadora e o canal se acertem.