Volkswagen T-Roc 2018 chega para competir com Jeep Renegade, Honda HR-V e Hyundai Creta


A Volkswagen apresentou oficialmente o T-Roc. Com 4,23 metros de comprimento, 2,60 metros de entre-eixos e 445 litros de espaço no porta-malas, será posicionado abaixo do Tiguan. No mercado brasileiro, onde deverá chegar no ano que vem, pertencerá ao mesmo grupo de modelos como Jeep Renegade, Honda HR-V e Hyundai Creta.

O modelo chegará primeiramente à Europa até o final deste ano. As opções a gasolina incluem motor 1.0 de 115 cv de potência com câmbio manual de seis marchas, um 1.5 TSI de 150 cv de potência com caixa manual de seis marchas ou automática de sete com dupla embreagem com opção de tração integral

A versão topo de linha traz um 2,0 litros de 190 cv, transmissão automática e tração nas quatro rodas. Já as unidades a diesel compreendem um 1.6 de 115 cv, um 2.0 de 150 cv e um 2.0 de 190 cv.

O crossover permite combinar a cor do teto, que pode ser preto ou branco. Na parte de dentro, uma tela de 11,7 polegadas se destaca no painel digital. O sistema de entretenimento também possui display nos mesmos moldes. O modelo fará sua estreia mundial no Salão de Frankfurt, em setembro.

Volkswagen Polo chega ao País em setembro


5A Volkswagen começou a divulgar novas informações sobre o Polo nacional, que será produzido na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) e chega a partir de 1° de setembro.

O modelo que é produzido sobre a plataforma MQB, que é a mesma utilizada pelo Golf, terá algumas alterações em relação ao modelo europeu.

A suspensão teve a altura modificada e está 20 mm mais alta, para atender as necessidades de altura superior em relação ao solo das condições do Brasil. A barra estabilizadora dianteira tem 20 mm de espessura. A direção terá assistência elétrica, de série em todos os Polo.

Para a versão de topo ele virá com motor 1.0 turbo, o mesmo do Golf, mas ajustado para 128 cv e 20,4 mkgf. Nesse caso, a transmissão será a automática Tiptronic de seis marchas. Essa versão deverá competir com modelos como Ford Fiesta, Honda Fit e versões mais caras de Peugeot 208 e Citroen C3.

O Polo de topo também terá freio a disco nas quatro rodas, controle de estabilidade e o XDS+, que freia a roda dianteira e traseira do lado de dentro da curva para corrigir a trajetória. Há ainda sistema de frenagem pós-colisão, que evita uma segunda batida e reduz a velocidade a até 10 km/h.

Na opção de entrada, é esperado o 1.6 MSI de 120 cv, com opção de câmbio manual ou automático de seis marchas. Para essa versão, os rivais são o recém-lançado Fiat Argo, Chevrolet Onix e Hyundai HB20.

De série, desde essa versão haverá controle de tração (M-ABS + TC), regulagem de freio-motor (MSR), limpeza automática dos discos de freio, para tirar a camada d’água e monitoramento de pressão dos pneus.

Diferente do que esperado, o painel virtual da Europa será oferecido na versão nacional, mas como um opcional apenas na versão de topo. Há também uma central multimídia com tela de 8 polegadas.

O Polo vai oferecer ainda funções como entrada e partida sem chave (keyless), sensores crepuscular e de chuva, Cruise Control, ar-condicionado digital, três tomadas USB, câmera de ré, sensores de obstáculos dianteiro e traseiro, além de rebatimento dos espelhos com função tilt down.

Além das novidades mecânicas, o Polo nacional estreia a nova nomenclatura da Volkswagen para os modelos TSI. Agora, o torque será expresso em Nm antes do emblema TSI, com a versão turbo se chamando 200 TSI.

Fiesta 1.0 Turbo 2018 chega por R$ 66.090


A marca Ford fez modificações na linha do Fiesta e aumentou a oferta do motor 1.0 turbo EcoBoost. Esta opção, que está até então disponível apenas na versão de topo Titanium, passa a equipar também a versão SEL que chega por R$ 66.090.

De série, a versão SEL EcoBoost traz rodas de liga leve de 15 polegadas, faróis de neblina, chave programável My Key, ar-condicionado digital, vidros e travas elétricas, além de controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, sensor de obstáculos traseiro e rádio com sistema SYNC e assistência de emergência, que liga para o SAMU em caso de acidente.

O motor 1.0 três cilindros turbo, a gasolina e com injeção direta, rende 125 cv e 17,3 mkgf, e vem associado ao câmbio automatizado de dupla embreagem e seis marchas. Ele faz 12,2 km/l na cidade e 15,3 km/l na estrada, segundo dados da Ford. Esta versão mostra que a Ford já está preparando suas armas para a chegada do Volkswagen Polo, que também terá motor 1.0 Turbo.

Chevrolet Bolt EV 2018


A General Motors está passando pela mais profunda transformação desde que a empresa foi criada, em 1908. O mais emblemático símbolo dessa mudança é o Chevrolet Bolt EV, hatch 100% elétrico lançado no início deste ano, nos EUA, que roda cerca de 380 km sem necessidade de recarregar as baterias.

O primeiro produto dessa nova GM é a atual geração do Cruze (vendida também no Brasil), cujo destaque é o motor 1.5 turbo, algo impensável há até pouco tempo em um modelo de uma companhia consagrada por seus V6 e V8. O Bolt é a consolidação dessa renovada vertente da Chevrolet, que ganhou importância em nível global e passou a receber os maiores investimentos entre as marcas do grupo norte-americano.

O Bolt é 9 cm mais curto que um Volkswagen Golf e, graças aos incentivos oferecidos pelo governo aos consumidores daquele país, o preço inicial, de US$ 37.495 (cerca de R$ 123 mil) cai para algo como US$ 30 mil (R$ 100 mil) – na conversão direta. Esse valor é próximo ao de rivais como o e-Golf e o Ford Focus Electric, nos EUA.

Mas pesa a favor da Chevrolet o fato de o Bolt ser um elétrico nato, pensado desde os primeiros esboços para ter essa propulsão, enquanto os concorrentes são versões de modelos com motores a combustão.

Os cerca de 200 cv de potência e 27 mkgf de torque gerados pelo motor elétrico estão disponíveis instantaneamente quando se pisa forte no acelerador. A aceleração de 0 a 100 km/h é feita em menos de 7 segundos, de acordo com dados da fábrica, e as baterias ficam no assoalho (plano), liberando espaço na cabine para ocupantes e carga.

A posição de dirigir é elevada, como em utilitários, e a grande área envidraçada faz com que o hatch pareça ser maior. Na prática, o Bolt é um carro muito equilibrado, confortável, espaçoso e (o melhor de tudo) gostoso de dirigir. Quatro adultos com mais de 1,8 metro de altura viajam bem graças à boa distância entre os eixos, de aproximadamente 2,6 metros – a mesma do sedã Cobalt.

O Bolt também oferece uma série de soluções eletrônicas e, nos EUA, a rede 4G LTE garante rapidez na troca de dados por meio de internet de alta velocidade. A central multimídia MyLink tem tela de 10,2 polegadas e há wifi a bordo.

Dá para parear smartphones com sistemas como Android Auto e Apple Carplay. Além de facilitar a operação, o fato de haver menos hardwares contribui para reduzir o peso do carro.

Em tomadas convencionais, o tempo para recarga completa das baterias é de cerca de nove horas. Uma boa solução é o sistema de recarregamento rápido, que permite “reabastecer” 80% da carga em 60 minutos. Por fora, a GM informa que não tem planos de vender o Bolt no mercado brasileiro.

Ficha técnica:

Preço sugerido:
US$ 37.495

Motor:
Elétrico, 60kWh

Potência (cv):
200 instantâneo

Torque (mkgf):
27 instantâneo

0 a 100 km/h:
7 segundos

Comprimento:
4,17 metros

Entre-eixos:
2,6 metro